close

  • Servir a Polónia, criar a Europa, perceber o Mundo

     

  • ACTUALIDADES

  • 1 Agosto 2017

    Todos os anos, no dia 1 de agosto às 17:00 horas ouve-se nas ruas de Varsóvia as sirenes de alarme. A cidade para. Os habitantes de Varsóvia prestam, com um minuto de silêncio, homenagem aos insurgentes que morreram e aos que sobreviveram.

    As celebrações do 73º aniversário do início da Insurreição de Varsóvia começaram no dia 31 de julho. As cerimónias decorreram no Museu da Insurreição de Varsóvia e na Praça Krasinski, onde no final da tarde foi realizada uma missa em frente do Monumento da Insurreição de Varsóvia. Estiveram presentes, entre outros participantes, o Presidente Andrzej Duda e representantes do governo, inclusive os Vice-Primeiros-Ministros Piotr Gliński e Mateusz Morawiecki. Marcaram também a sua presença os participantes da Insurreição de Varsóvia, soldados do Armia Krajowa (Exército Clandestino Polaco), combatentes, representantes do exército, escuteiros e habitantes de Varsóvia.

     

    “Uma insurreição que levou à criação de uma Polónia livre não pode ser considerada como perdida.” – disse o Presidente Andrzej Duda no seu discurso durante o Apelo para a Memória.

     

    A Insurreição de Varsóvia é lembrada na Polónia inteira, mas é a capital do país que comemora o seu início de uma forma única: a prestar homenagem com a “Hora W” às 17:00 horas. Nesse momento as sirenes de alarme disparam e é emitido um sinal contínuo de um minuto. Os transportes públicos, carros e habitantes de Varsóvia param e homenageam os insurgentes e os habitantes da cidade assassinados.

     

    A Insurreição de Varsóvia teve início no dia 1 de agosto de 1944, durou 63 dias e foi a maior luta pela liberdade na história da Segunda Guerra Mundial. Aproximadamente 50 mil insurgentes do Armia Krajowa lutaram contra os Alemães. As lutas envonvleram todos os distritos de Varsóvia. Aproximadamente 16 mil insurgentes do Armia Krajowa e 150 mil civis foram mortos durante a insurreição.

     

    Fot. Stanisław Kowalczuk/East News

     

    Assessoria de Imprensa
    MNE da Polónia

    Print Print Share: